Letras UFABC

18/09/2012

The beats and the bullets

Filed under: Cinema,Vídeos — Gabriel Kernnuak Farias @ 15:36
Tags: , , , ,

Uma vez lançado para as telas de cinema, On The Road parece dar nova vida à literatura beat, trazendo à tona seus personagens mais importantes. William S. Burroughs é um deles – descrito por Eduardo Bueno, primeiro brasileiro a se aventurar na estrada de Kerouac e autor da mais consagrada tradução em língua portuguesa do livro.

Anúncios

31/08/2012

Tropicália com vista pro mar e nas telas de cinema

Filed under: Cinema,Diversão,Geral,Vídeos — Gabriel Kernnuak Farias @ 21:31
Tags: , , , , ,

A iniciativa da Odebrecht minguou. Se o objetivo era homenagear os tropicalistas, batizando as dependências de um de seus novos empreendimentos em Salvador com referências ao movimento da Tropicália, os principais interessados não fizeram questão das honras. O condomínio luxuoso ao lado do parque ecológico de Pituaçu tem vista pro mar, amplo espaço interno e era divulgado como o local “onde o divino encontra o maravilhoso”, citando a canção de Caetano Veloso. O baiano foi um dos primeiros a levantar a voz contra a tentativa de “comercializar o movimento”, como indica matéria publicada no Terra Magazine.

Ainda que a Tropicália não tenha vocação pra nomear edifícios, sua história pode render um bom filme. Pelo menos é o que parece: de acordo com o calendário de estreias do Omelete, o filme Tropicália estreia no próximo dia 14 e promete revelar bastidores de um dos movimentos mais emblemáticos da cultura nacional. Abaixo você confere o trailer do longa de 72 minutos e direção de Marcelo Machado.

24/07/2012

Coisa de gente grande

Filed under: Cinema,Geral,Vídeos — Gabriel Kernnuak Farias @ 17:32

Animação deixou de ser programa exclusivo para crianças há muito tempo. Especialmente a partir de agora, passará a ser coisa séria – tão séria que o vencedor principal da vigésima edição do Anima Mundi ganhará o direito de se inscrever para concorrer ao Oscar.

Amanhã, 25, o evento começará a ser exibido nas salas paulistanas – Memorial da América Latina e Centro Cultural Banco do Brasil. Para mais informações sobre a programação do evento clique aqui.

O catálogo do Anima Mundi 2012 também foi divulgado pelo site oficial do evento. A peça contem informações sobre as atrações do festival e você pode acessá-la clicando aqui.

 

Centro Cultural Banco do Brasil

ENDEREÇO: Av. Álvares Penteado, 112 Centro – São Paulo
TELEFONE: (11)3113-3650, 3113 3651, 3113 3652
HORÁRIO: Horário de funcionamento: Qua à Dom 9h às 21h

Memorial da América Latina

ENDEREÇO:Av. Auro Soares de Moura Andrade 664 – Barra Funda – São Paulo
TELEFONE:(11) 3823-4600
HORÁRIO:Horário de funcionamento: Qua à Dom 9h às 23h

10/07/2012

Como ser um grande escritor

Filed under: Cinema,Geral,Vídeos — Gabriel Kernnuak Farias @ 17:08
Tags:

Atualmente Charles Bukowski é autor conhecido do público brasileiro. O que, de fato, não significa dizer que lhe é dado o devido reconhecimento – ao passo que possui uma parcela significativa de seus livros traduzidos para o português, o autor nunca conseguiu se livrar do estigma de subliterato.

Mesmo na peça chave de sua bibliografia, Misto-Quente, o autor se faz valer de altas doses de álcool e escatologia e uma quantidade razoável de palavrões, além de recorrer a figuras marginalizadas pela sociedade de forma a construir o cenário de pobreza no qual se desenvolve sua obra.

Presente em prosa e verso, a recente popularização do autor ganhou adaptações audiovisuais. “Como Ser Um Grande Escritor” é uma delas, laureada no Gramado Cine Vídeo 2009, na categoria “melhor ficção universitária”.

03/07/2012

Hora de cair na estrada

Filed under: Cinema,Dicas,Geral — Gabriel Kernnuak Farias @ 00:37
Tags: , , ,

É dada a hora. No próximo dia 13 estreará no Brasil a adaptação cinematográfica de On The Road. Título indispensável da bibliografia beat – quiçá da bibliografia do século XX, dado o grande impacto que causou após o seu lançamento, extrapolando os limites da crítica literária -, a obra é dirigida pelo brasileiro Walter Salles e conta com Kristen Stewart, Garrett Hedlund e Sam Riley em seu elenco.

Mais do que um evento simbólico marcado pela primeira exibição de uma peça audiovisual, a estréia de On The Road representa o reconhecimento à grandeza do livro que captou o espírito de seu tempo para disseminá-lo em cerca de 320 páginas marcadas pela prosa espontânea (que, a bem da verdade, não era tão espontânea assim: ante infindáveis recusas do mercado editorial, Jack Kerouac viu-se forçado a recortar e recriar várias vezes a sua própria obra, além de adicionar “montes de vírgulas inúteis”) e um fluxo de consciência batizado pelo poeta Lawrence Ferlinghetti como “febre onívora da observação”.

Uma vez lançado, em setembro de 1957, On The Road deflagrou o movimento beat do qual Jack Kerouac involuntariamente se tornou avatar. Fugia, contudo, do fardo que isso representava ao passo que a obra se tornava uma espécie de livro-prisão, atraindo para si uma quantidade enorme de estereótipos e chavões que não lhe pertenciam. Imediatamente após a publicação, Jack foi acusado pela revista Time de “estar dando fundamento à explosiva juventude que, de um canto ao outro do país, se agrupa em torno de jukeboxes e se envolve em arruaças sem motivo em plena madrugada”. Aquela voz não era a única. David Dempsey, então articulista do The New York Times, também atacava a obra. Após fazer suas ressalvas – sim, On The Road era “altamente legível e divertido”, Dempsey pontuava que o livro “não tinha uma moldura mais ampla dentro da qual seus personagens pudessem se desenvolver” além de exibir um ponto de vista neutro ante “tanto sexo, adultério e abuso de drogas”.

Mais do que conteúdo de imagens chocantes demais para a já não tão inocente década de 50, On The Road também acabou se transformando em influência direta para tudo o que veio depois no que diz respeito à arte e à cultura yankee. Fortemente influenciado pela estrada de Kerouac, Bob Dylan logo poria o pé na sua própria Highway 61 Revisited, também abençoado e amaldiçoado pela crítica, recebendo as mesmas glórias e padecendo dos mesmos males de Jack. Em seguida outros tantos leitores da obra seriam afetados profundamente pela mensagem de Kerouac: Jim Morrison fundou o The Doors ao ler On The Road; Hector Babenco fugiu de casa ao ler On The Road; Beck fundiu rap, folk e poesia beat após ler On The Road. O legado da obra é tamanho que é de se espantar que o filme tenha tardado tanto – ainda que isso possa ser mais uma artimanha do destino em tornar a adaptação cinematográfica do livro tão tortuosa quanto as estradas percorridas por Dean Moriarty e Sal Paradise, main characters e alter-egos de Neal Cassady e Jack Kerouac, respectivamente.

Ainda que o legado da obra tenha sobrevivido até os dias atuais, Jack Kerouac não teve a mesma sorte. Morreu em 21 de outubro de 1969 aos 47 anos, alcoólatra, barrigudo, morando na casa de sua mãe (com quem morou a vida inteira) e cansado de explicar o significado da expressão “beat” com hipérboles que irritavam os jornalistas e só reforçavam a mística existente ao redor da obra. Há quem atribua o fim de Jack Kerouac ao referido legado, num clássico episódio no qual criador definha em favor de sua criatura. É fato que o livro tenha lhe conferido um merecido prestígio além do dinheiro que tanto precisava, contrariando suas expectativas de que “a única coisa que estaria pronta para aceitá-lo era a morte”. Em todo caso, Kerouac viveu como o escritor mais solitário da América, mas não o menos brilhante. Resta saber se o filme estará à altura.

11/01/2012

Terror no Museu da Imagem e Som

Filed under: Cinema,Dicas,Eventos,Geral — Letras UFABC @ 18:07
Tags: , , , , , , , , , ,

Dica do Bruno, diretamente do site do MIS para aqueles que sentem falta do Noitão do Belas Artes (ou não)!

No dia 13 de janeiro o MIS promove uma programação especial para os amantes de filmes de terror. Serão exibidos três títulos consagrados do cinema de horror durante toda a noite.

A programação inicia-se com a exibição de Alucardos – Retrato de um vampiro (Ulises Guzmán, 90’, 2010 – ganhador do prêmio de melhor filme e direção no 6º Cinefantasy), seguido de À meia-noite levarei sua alma (José Mojica Marins, 81’, 1964) e Alucarda, La hija de lãs tinieblas (Juan López Moctezuma, 85’, 1978).

Sobre os filmes:

ALUCARDOS – RETRATO DE UM VAMPIRO
Documentário, Horror, México, 2010, 90’
Direção: Ulises Guzmán
Elenco: Alessandra Moctezuma, Manolo Duran, Tina Romero, Juan Carlos Colombo, Christina Mason, Jorge Ayala Blanco, Luis Romano, Liliana Ortiz Durán, Lalo Casares, Eduardo Moreno, Carlos Monsiváis, Óscar Olivares, Alexis Arroyo, Juan López Moctezuma.
Manolo e Lalo, obcecados pelo filme mexicano Alucarda, dedicam-se a procurar pelo diretor do filme, Juan López Moctezuma, até eles tropeçarem com ele em um hospital psiquiátrico. Depois de sequestrar o diretor e fazê-lo lembrar de seu passado, o diretor recobra sua lucidez e faz deles os guardiões de seu trabalho. No meio de uma atmosfera que vai do maravilhoso e mágico do cinema ao hospício… a obsessão vai ao limite.

À MEIA-NOITE LEVAREI SUA ALMA
Ficção, Horror, São Paulo, Brasil, 1963, P&B, 81’
Direção: José Mojica Marins
Elenco: José Mojica Marins, Magda Mei, Nivaldo de Lima, Ilídio Martins
O cruel e sádico coveiro Zé do Caixão, temido e odiado pelos moradores de uma cidadezinha do interior está obcecado em conseguir gerar o filho perfeito, aquele que possa dar continuidade ao seu sangue. A sua mulher não consegue engravidar e ele acredita que a namorada do seu melhor amigo é a mulher ideal que procura. Violada por Zé do Caixão, a moça quer cometer suicídio para regressar do mundo dos mortos e levar a alma daquele que a violou.

ALUCARDA, LA HIJA DE LAS TINIEBLAS
Ficção, Horror, México, 1978, 85’
Direção: Juan López Moctezuma
Elenco: Tina Romero, Claudio Brook, Susana Kamini
Uma jovem chega a um convento após a morte de seus pais, fato que marca o início de uma série de eventos que liberta uma presença maligna na garota e na sua misteriosa nova amiga, uma enigmática figura conhecida como Alucarda.

 

Ingressos à venda na Recepção MIS ou através do site: www.ingressorapido.com.br

Dia: sexta-feira 13 (Janeiro)

Local: auditório do MIS

Horário: a partir das 23h

Preço: R$ 6,00 (desconto de 50% para estudantes)

Como chegar: http://www.mis-sp.org.br/comovisitar

Boa diversão e olhem por onde andam!

Ana

Letras UFABC

01/03/2011

Noitão do Belas Artes – Março/2011

Olá! Como estão?

Você conhece o Noitão do Belas Artes?

Toda segunda sexta-feira do mês no Cinema Belas Artes ocorre uma madrugada de filmes! Com início às 23:50h da sexta-feira e término às 6:00h do sábado, aproximadamente, o público presente pode desfrutar de 3 sessões de filmes, sorteios de brindes e um lanchinho no café da manhã!

Como muitos devem saber, o cinema vai fechar em breve, caso os proprietários não consigam negociar o valor do aluguel com o dono do imóvel. Então essa pode ser a última vez que você tem a chance de participar de um evento tão ímpar da cidade de São Paulo no lugar onde ocorre atualmente.

A programação para o mês de  março é a seguinte:

FILMES: Os inéditos ‘Caminho da Liberdade’ e ‘Mistério da Rua 7’ e as reprises ‘Os Famosos e os Duendes da Morte’ e ‘Eu Me Chamo Elisabeth’. Um filme-surpresa completará a programação.

DIA: 04 de Março, sexta-feira

HORÁRIO: A partir das 23h50min

INGRESSO PARA O NOITÃO: R$ 20,00 (estudantes pagam meia-entrada)

*Dica: não deixe para comprar o ingresso na última hora, pois correrá forte risco de ficar sem!

ENDEREÇO: Belas Artes – Rua da Consolação, 2423

TEL.: (11) 3258-4092

Fichas Técnicas:

“Caminho da Liberdade”


Título original: The Way Back

Lançamento: 2010 (EUA)

Direção: Peter Weir

Atores: Colin Farrel, Dragos Bucur, Ed Harris

Duração: 133 minutos

Gênero: Drama

Sinopse: Em 1940, pegos pelo regime stalinista, sete prisioneiros aproveitam-se da nevasca para fugir de Gulag Soviético. A liberdade desses homens tem um preço: ele tem poucas chances de chegarem a um lugar seguro sem serem pegos novamente e correm risco de morte.

Trailer

“Mistério da Rua 7”


Título original: Vanishing on 7th Street

Lançamento: 2010 (EUA)

Direção: Brad Anderson

Atores: Hayden Christensen, Thandie Newton, John Leguizamo, Jacob Latimore

Gênero: Terror

Sinopse: A cidade de Detroit está no escuro, graças a um apagão. A população some e a situação de abandono é evidente. Um grupo de pessoas que não se conhecem é o único sinal de sobrevivência. Eles, então, decidem se proteger em uma taberna abandonada, quando percebem que a escuridão fora do esconderijo está pronta para atacá-los e a única chance de ficar seguro é colocando fim às fontes de luz.

Trailer

“Os Famosos e os Duendes da Morte”


Título original: Os Famosos e os Duendes da Morte

Lançamento: 2009 (Brasil/França)

Direção: Esmir Filho

Atores: Henrique Larré, Ismael Caneppele, Tuane Eggers, Samuel Reginatto

Duração: 101 minutos

Gênero: Drama

Sinopse: Um garoto de 16 anos, fã de Bob Dylan, tem acesso ao restante do mundo apenas por meio da internet, enquanto vê os dias passarem em uma pequena cidade rural de colonização alemã, no sul do Brasil. Mas uma figura misteriosa o faz mergulhar em lembranças e num mundo além da realidade.

Trailer

“Eu me chamo Elisabeth”


Título original: Je m’appelle Elisabeth

Lançamento: 2006 (França)

Direção: Jean-Pierre Améris

Atores: Alba Gaïa Kraghede Bellugi, Stéphane Freiss, Maria de Medeiros

Gênero: Drama

Sinopse: Elisabeth (Alba Gaïa Kraghede Bellugi) tem dez anos e, nos anos 1940, vive no interior da França com seus pais, em fase de separação, e uma empregada que quase não fala. Ela se sente solitária, com medo do escuro e fantasmas. Quando um jovem desconhecido, fugitivo de uma clínica, aparece em seu quintal, ela o esconde numa cabana nos fundos da casa, passando a protegê-lo e a tratá-lo como confidente e melhor amigo.

Trailer

 

Imperdível a programação, não? Vemo-nos lá!

Ana

Letras UFABC

*Fontes: Comunidade Noitão Belas Artes, Interfilmes

04/02/2011

LETRAS & CINEMA – Oscar

Filed under: Cinema — Arthur Leme @ 20:10
Tags: , , , , , , ,

Todo mundo conhece e já sabe. A cada início de ano, a indústria cinematográfica concentra sua atenção naquela que é considerada a “premiação máxima” do Cinema. Claro que falo do Oscar, o prêmio concedido pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas (Academy of Motion Picture Arts and Sciences) aos destaques do ano no Cinema.

Este texto é um pouco longo, talvez tão longo quanto a cerimônia de premiação do Oscar, mas coloquei algumas coisas bem interessantes a respeito dessa que é a maior premiação artística do mundo.

 

Há quem goste e há quem condene mas, de qualquer forma, é impossível negar sua influência.

Todo ano a mídia se concentra nos detalhes que envolvem a premiação, desde os filmes indicados até o glamouroso desfile dos exuberantes e luxuosos looks dos artistas. O mundo inteiro volta sua atenção para a premiação, seja para torcer por seus atores, atrizes e filmes favoritos, seja para conferir o desfile do Tapete Vermelho ou ainda para dar uma de entendido e crítico de cinema.

 

Então o Oscar é uma premiação aos melhores filmes?

Não só aos filmes mas a todos da indústria do Cinema, desde produtores, atores e diretores até técnicos e demais artesãos. A premiação é um reconhecimento pelo trabalho destacado destes por um determinado filme no último ano.

Originalmente a estatueta dourada possui o nome de Prêmio de Mérito da Academia, mas é mais conhecida como Oscar. A origem desse apelido, que posteriormente foi adotado pela Academia, possui diversas versões, uma mais sem graça que a outra. A estatueta mede 35 cm, pesa cerca de 3,8 kg e é moldada em uma liga de metal banhada à ouro.

A primeira premiação ocorreu no ano de 1929, durante um banquete, à uma plateia de aproximadamente 250 pessoas e agora no ano de 2011 o evento da Academia chega à sua 83ª edição.


Certo, mas o que exatamente é a Academia?

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas (AMPAS) foi fundada em 1927 e é uma organização profissional composta atualmente por cerca de 6.000 pessoas ligadas ao Cinema. A Academia tem como principais propostas promover o desenvolvimento e avanço das artes e ciências ligadas ao Cinema, reconhecer notáveis realizações, auxiliar na pesquisa técnica e aprimoramento de equipamentos e métodos e representar o ponto de vista dos reais criadores do Cinema. Não envolve assuntos relacionados à economia, política ou trabalho, existindo para isso os sindicatos variados.

Para se tornar um membro da Academia é necessário um convite por parte do Conselho de Governantes. A canditatura a membro é limitada àqueles que alcançaram destaque nas artes e ciências cinematográficas. Existem alguns critérios para admissão como recebimento de uma indicação ao prêmio da Academia, créditos em filmes de relevância, obtenção de mérito especial, ou realização de uma contribuição notável no cinema. A candidatura é apresentada por pelo menos dois ‘padrinhos’ membros da Academia e é então votada no Conselho da Academia.


E como funciona a premiação?

Para um filme concorrer a uma indicação é necessário possuir mais de 40 minutos de duração, ter estreado durante o ano avaliado, e ter sido exibido em um cinema em Los Angeles, com ingressos pagos, por uma semana. É possível que um produtor ou distribuidor, que deseja que seu filme concorra à uma indicação, faça a solicitação enviando um formulário oficial. Com os filmes então listados, é enviado aos membros da Academia uma cédula de indicações e a lista de candidatos à indicação. Cada membro então pode selecionar até 5 candidatos, limitando-se a votar em sua área específica. Isso ocorre na maioria das categorias. Diretores escolhem diretores, editores escolhem editores, por exemplo. Na categoria de filmes estrangeiros há uma equipe especial formada para selecionar os filmes indicados por suas respectivas nações. Cada país pode indicar apenas um filme por ano. Feito isso são escolhidos e anunciados os indicados à premiação.

Cerca de uma semana depois são enviadas cédulas para a votação final e cada membro tem o prazo de duas semanas para escolher seus favoritos. Os votos são recolhidos e mantidos em sigilo até a hora do anunciamento na cerimônia. É comum que durante essa época os estúdios e produtoras enviem material para os membros votantes, para permitir que estes tenham a oportunidade de assistir aos filmes. Os filmes enviados são chamados screeners.

Daí a matemática é simples. Os mais votados vencem. Porém isso se aplica à todas as categorias, menos à “categoria máxima”.


O Sitema Preferencial

Desde o ano passado, quando a Academia voltou a indicar 10 produções à categoria de Melhor Filme, o sistema que define o vencedor é o chamado Sistema Preferencial.

Nele os membros listam de 1 a 10 os filmes, começando do favorito (1) ao que menos gosta (10). A partir daí funciona basicamente da seguinte forma: são feitas 10 pilhas de votos, separadas de acordo com os filmes que tiveram nota máxima, ou seja, uma pilha para cédulas com o filme X na primeira posição, outra para o filme Y na primeira posição e assim com todos os outros filmes.

Em seguida elimina-se a menor pilha e distribui-se as cédulas desta baseando-se na segunda posição listada nas cédulas. Caso a segunda posição seja de um filme já eliminado, leva-se em conta o filme da terceira posição. Essa etapa é repetida sucessivamente até que uma pilha possua 51% do total de cédulas recebidas. O filme dessa pilha é o vencedor. Isso garante que um filme não seja eleito com apenas 11% por exemplo.

Para muitos a indicação de 10 filmes não passa de uma estratégia mercadológica. Mais títulos poderão estampar em seus cartazes a mágica frase “Indicado ao Oscar”.

 

Ah! Então são os membros que escolhem os melhores!

E é também por esse motivo que muitos dizem que o Oscar não tem credibilidade. Se você fosse votar num melhor trabalho, e um amigo estivesse concorrendo, não votaria nele? Obviamente isso acontece no Oscar. Rola um jogo absurdo de interesses e é por isso que, quando o envelope é aberto e o vencedor anunciado, muitas vezes ficamos com aquela cara “Como assim esse filme ganhou?”.

O Oscar de fato perdeu um pouco de credibilidade ao longo dos anos, mas ainda assim exerce um papel estratégico na promoção dos filmes. Se pararmos para analisar bem a fundo o Oscar não serve para premiar os melhores e sim para promover o Cinema no mundo.


E o Brasil no meio disso tudo?

Sim, temos brasileiros que fazem parte da Academia! É o caso de Fernando Meirelles, Walter Salles, Bruno Barreto, Hector Babenco, Bráulio Mantovani, Daniel Rezende e Fernanda Montenegro.

Quanto à estatueta dourada… O Brasil nunca levou uma. Mas já foi indicado algumas vezes. A primeira indicação foi em 1963 de “O Pagador de Promessas” na categoria de Melhor Filme Estrangeiro. A indicação seguinte foi só em 1996 de” O Quatrilho”. Em 1998 o indicado foi “O que é isso companheiro?”. Em 1999, “Central do Brasil” foi indicado para Melhor Filme Estrangeiro e Fernanda Montenegro foi indicada como Melhor Atriz pela sua atuação no mesmo filme. Em 2004 foi a vez de “Cidade de Deus” com quatro indicações. Melhor Edição, Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Fotografia e Melhor Diretor (Fernando Meirelles). Este ano o Brasil está fora. O filme escolhido para representar o país foi “Lula” que não conseguiu uma indicação.


E o que a premiação deste ano nos reserva?

A principal disputa é entre o favorito desde o ano passado, “A Rede Social”, que tem sido ofuscado nas últimas semanas por “O Discurso do Rei”. Para muitos o Oscar para “A Rede Social” e seu diretor David Fincher era certo, porém podemos usar como parâmetro para o Oscar as outras premiações.

Até o Globo de Ouro, de fato esse era o filme favorito, mas o Sindicato de diretores premiou Tom Hooper, diretor de “O Discurso do Rei”. E o mesmo aconteceu na premiação do sindicato dos atores. O prêmio máximo de melhor elenco foi dado à “O Discurso do Rei”. Como grande parte dos votantes da Academia são Diretores e Atores, é possível que se eles manterem seus votos “O Discurso do Rei” seja o grande vencedor. Os mesmo parâmetros usamos para arriscar que os vencedores das categorias de Melhor Ator e Atriz serão Colin Firth por “O Discurso do Rei” e a fabulosa Natalie Portman por “Cisne Negro”.

A lista completa de indicados você pode conferir clicando aqui.

E então, quais são suas apostas?

O Oscar às vezes é cheio de surpresas. Se possui ou não credibilidade, pouco importa. De um modo geral os filmes que ali estão merecem uma atenção especial. A premiação pode não ser justa, mas no ano seguinte pouca gente lembra quem ganhou.

De qualquer forma o mundo vai estar ligado na premiação. A 83ª entrega do Oscar é DIA 27 DE FEVEREIRO, domingo às 22 HORAS!

 

Arthur Leme

Letras UFABC

16/12/2010

LETRAS & CINEMA – Os melhores de 2010

Filed under: Cinema — Arthur Leme @ 17:21
Tags: , , , ,

Faltam duas semanas para o fim de 2010 e essa é uma boa hora para fazer um balanço dos filmes que marcaram o ano, que valeram o ingresso e que, se não vistos ainda, precisam ser assistidos antes da virada. Nesta lista vamos considerar apenas os filmes de 2010 que estrearam aqui no Brasil, sem qualquer ranking ou ordem específica.

______________________________________________________________________________________________________________________

ILHA DO MEDO (SHUTTER ISLAND). Dir. Martin Scorsese

O suspense mostra Leonardo DiCaprio, em interpretação excelente, como Teddy Daniels, que vai investigar o desaparecimento de uma paciente do Hospital Psiquiátrico de Shutter Island. Lá ele encontra a resistência de médicos e funcionários no auxílio da resolução do caso, dentre métodos de tratamento suspeitos, diversos mistérios e sombras de seu próprio passado.


KICK-ASS: QUEBRANDO TUDO
(KICK-ASS). Dir. Matthew Vaughn

Baseado em uma HQ o filme mostra o estudante, e extremamente nerd, Dave Lizewski que decide virar um super-herói mesmo sem posuir qualquer habilidade para isso. Depois que o vídeo de uma briga sua contra bandidos cai na internet ele se torna famoso. Ele então conhece outros super-heróis e vilões, e se envolve em uma aventura violenta e real. Vale o destaque pelo humor do filme e pela pequena heroína Hit-Girl que com 10 anos sai quebrando tudo.


TOY STORY 3
(TOY STORY 3). Dir. Lee Unkrich

Disney e Pixar trazem depois de 11 anos, mais uma aventura dos brinquedos do Andy, encarando a dura realidade de que seu dono cresceu e agora está indo para a faculdade. Não é apenas uma animação para crianças, pelo contrário, a história afeta muito mais os adultos. Com sequências espetaculares e uma trama fantástica esta é uma das grandes obras de 2010, de qualidade inquestionável.


A ORIGEM
(INCEPTION). Dir. Christopher Nolan

Este filme merece uma atenção especial. Em meio a total ausência de criatividade da indútria cinematográfica atual, o filme de Christopher Nolan ganhou um destaque gigantesco, sendo por muitos considerado uma obra prima. O filme ainda gerou diversas discussões mundo afora e se tornou, provavelmente, o mais polêmico do ano. De fato (me recuso a tratar o filme como Origem, em mais uma tentativa ridícula de adaptação de títulos no Brasil) Inception é um grande, grande filme. Com Leonardo DiCaprio, o filme mostra uma equipe de especialistas em invadir os sonhos das pessoas e de lá roubar informações sigilosas, atendendo a interesses corporativos. Após uma tentativa frustrada de extração, Cobb (DiCaprio) recebe uma proposta para formar uma equipe e fazer o oposto, inserir uma idéia na mente de outra pessoa.

Inception é um daqueles filmes raros atualmente no qual você precisa pensar e processar toda informação que recebe. Mas apesar da complexidade imposta, o filme por si só guia completamente o espectador. Exige atenção, apenas isso, mas que é facilmente captada através de cenas de ação absurdamente geniais e uma trama misteriosa e original.


O ESCRITOR FANTASMA
(THE GHOST WRITER). Dir. Roman Polanski

Um escritor fantasma (Ewan McGregor) é contratado para dar continuidade a biografia de um ex primeiro ministro britânico (Pierce Brosnan), após a morte misteriosa do escritor anterior. O suspense envolve questões políticas em uma trama intrigante com uma fantástica trilha sonora. O ruim é não deixar de associar o filme ao diretor que neste ano foi acusado de crimes cometidos.


TROPA DE ELITE 2
. Dir. José Padilha

Wagner Moura volta na atuação marcante de Nascimento que, agora coronel, é afastado do BOPE depois de uma operação mal sucedida. Na Secretaria de Segurança Pública do Estado, ele descobre ainda mais podridão e corrupção.


A REDE SOCIAL
(THE SOCIAL NETWORK). Dir. David Fincher

O filme conta a história dos fundadores da rede social, Facebook, na internet. O filme tem boas atuações, diálogos bastante afiados, e tem sido bastante elogiado. De um modo geral é um bom filme, com um bom roteiro, uma boa produção e uma boa direção. É um dos melhores filmes do ano, mas definitivamente não é O melhor.


MACHETE
(MACHETE). Dir. Robert Rodriguez e Ethan Maniquis

Machete era originalmente um falso trailer no filme Planeta Terror de Robert Rodriguez. Devido ao potencial do mesmo, Danny Trejo volta, em uma história que aproveita as cenas do trailer, no papel de Machete, um ex-federal que após cair em uma armadilha criada por uma organização parte em busca de respostas e vingança em meio a uma guerra entre americanos e imigrantes ilegais mexicanos. Extremamente violento e dotado de um humor único Machete é um filme imperdível.


SCOTT PILGRIM CONTRA O MUNDO
(SCOTT PILGRIM VS.THE WORLD). Dir. Edgar Wright

Scott Pilgrim é um perdedor de 22 anos, baixista de uma banda desconhecida e que encontra a garota dos seus sonhos. Porém ele precisa derrotar a Liga dos Sete Ex-namorados do mal para ficar com ela. Eis um filme curioso. Mistura elementos dos quadrinhos, games e internet com uma homenagem ao indie, de forma criativa, divertida e mais do que isso, fiuncional. Mais curioso ainda é o fato deste ter sido um dos filmes mais aguardados do ano, ter se tornando extremamente popular na internet e ter sido um fracasso no Cinemas. Aqui no Brasil ele quase não estreou. Impossível de se entender. De qualquer forma Scott Pilgrim é um filme divertidíssimo, mas talvez não muito fácil. Já vai o aviso de que é preciso estar no clima para encarar muitas asneiras propositais e absurdas. As referências nerds, o nonsense, o abuso de cores, são todos elementos que tornam Scott Pilgrim um filme imperdível.

 

No ano de 2010, tirando os filmes aqui listados, pouca coisa além valeu a pena. O ano que vem pelo menos começa bem. The King’s Speech, Never Let Me Go e Black Swan (este último principalmente) merecem uma atenção especial.

E você, o que achou do Cinema este ano? Concorda com essa lista?

Bom final de ano e um 2011 repleto de Cinema!


Arthur Leme

Letras UFABC

10/11/2010

LETRAS & CINEMA – A crise criativa em Hollywood

Filed under: Cinema,Geral — Arthur Leme @ 22:48
Tags: , , , , , ,

O famoso estúdio Metro Goldwyn Mayer – MGM – pediu sua falência na última semana, depois de décadas de dificuldades e dívidas. Esse é um fato específico, mas que nos faz pensar e observar que Hollywood, a poderosa indústria cinematográfica norte-americana, encontra-se em tempos difíceis. A começar pelo fato de que, nos últimos anos, as salas de cinema têm perdido espectadores, e esse é um fenômeno mundial. Os cinemas estão vendendo menos ingressos. Os Estados Unidos também entraram numa crise econômica, e Hollywood não ficou totalmente imune. Os investimentos nos milionários projetos cinematográficos, que levam meses para se tornarem concretos (e rentáveis) ficaram mais difíceis. E somado a isso houve também a crise dos roteiristas em 2008 que exigiam, dentre outras coisas, uma melhor distribuição dos lucros decorrentes das vendas de DVDs, que apesar de serem uma importante fonte lucrativa, também tem perdido força nos últimos anos.

As dificuldades não são poucas em Hollywood. E não é preciso muito esforço para perceber um outro problema. A criatividade desapareceu por lá.

De um modo geral Hollywood insiste em apostar numa avalanche de fiascos lançados no mercado, como que na esperança de que alguma coisa dê certo em algum momento. Fica então ainda mais evidente a total falta de ideias que assombra os estúdios hollywoodianos. O investimento nas inúmeras sequências, espremendo e massacrando sucessos originais em até dezenas de continuações, já teve sua época. Agora o foco está mesmo na prática alucinada das adaptações. Aqui vale tudo. Qualquer livro, quadrinho ou game, ao mínimo sinal de sucesso, já é transformado e adaptado para o Cinema. Há algumas excessões, que vez ou outra costumam aparecer, mas a grande maioria se torna lixo descartável. Tais adaptações continuam, porém agora Hollywood investe alucinadamente em outra manobra. Tomada por tal ausência criativa, usam-se de sucessos estrangeiros.

Vem aí a avalanche de Remakes. É verdade que essa não é uma prática nova. Hollywood sempre pegou um filme estrangeiro, imprimiu seu estilo e o vendeu americanizado. A questão agora é que esses remakes vêm para cobrir essa falta de criatividade. Alguns são descaradamente iguais aos originais. Mudam apenas os diálogos para o inglês. Mas o estilo norte-americano continua sendo embutido, com bem menos efeito do que antigamente, uma vez que já está em um estado saturado.


Em 2007, os diretores espanhóis Jaume Balagueró e Paco Plaza criaram um fênomeno nas bilheterias espanholas. O terror REC, vencedor de diversos prêmios, utilizou-se de uma única câmera controlada por um personagem no filme, para acompanhar momentos aterrorizantes dentro de um prédio infectado lacrado. No ano seguinte, em 2008, é lançado Quarentena, a versão americana do filme. Para não dizer que o filme é totalmente igual a história sai da Espanha para se passar em um prédio nos Estados Unidos, e no roteiro, algumas sequências novas foram incluídas, tornando-se visivelmente desnecessárias. O resultado é imaginável? Quarentena não foi o mesmo sucesso que REC.


Ainda no ano de 2008, estreia na Suécia um filme curioso sobre a relação de um menino, atormentado pelos colegas de escola, com uma misteriosa garota que aparentemente é uma vampira. O filme Deixe ela entrar aborda as descobertas do amor e vingança com uma atmosfera e narrativa bastante interessante. Prêmios e indicações para o filme não faltaram, e não faltou também um estúdio americano que pouquíssimo tempo depois entrou na produção de um remake. Let me in saiu esse ano, mas ainda não chegou no Brasil.



O best-seller de Stieg Larsson ganhou uma preciosa adaptação em seu país, a Suécia, no ano de 2009. O drama policial Os Homens que Não Amavam as Mulheres também foi premiado, e o potencial do mesmo despertou o interesse em Hollywood. No ano que vem estreia The Girl with the Dragon Tattoo.


Se premiações podem dizer alguma coisa, nada melhor então do que falar do vencedor do Oscar. Na última premiação o brilhante argentino O Segredo de Seus Olhos ganhou a estatueta e em breve ganhará também um ramake pela Warner Bros.

E o cinema de todo o mundo vem sendo aproveitado por Hollywood.

A mais nova notícia é a de um remake do sul coreano Oldboy. Steven Splielberg demonstrou interesse no projeto e até cogitou Will Smith no filme, mas o projeto enfrentou alguns problemas e não vingou. Retomado agora, continua-se cogitando Steven Spielberg para o comando.

Esses são alguns exemplos. A falta de criatividade em Hollywood é totalmente visível. É filme atrás de filme, sem nenhuma originalidade. Quase nada que compensa o ingresso. E as salas de cinema continuam perdendo espectadores. Se criatividade – a peça fundamental na arte – não existe mais, resta então tentar atrair o público com alguma coisa. Eis que surge o Cinema 3D.

Agora, vamos nos preparar para uma avalanche de relançamentos e remakes em 3D. Criatividade? Não, não. O ingrediente para atrair espectadores agora são óculos especiais. A criatividade fica pra depois.


Arthur Leme

Letras UFABC

09/11/2010

Noitão do Belas Artes – Novembro/2010

Olá! Como estão?

Você conhece o Noitão do Belas Artes?

Toda segunda sexta-feira do mês no Cinema Belas Artes ocorre uma madrugada de filmes! Com início às 23:50h da sexta-feira e término às 6:00h do sábado, aproximadamente, o público presente pode desfrutar de 3 sessões de filmes, sorteios de brindes e um lanchinho no café da manhã!

A programação para o mês de  novembro é a seguinte:

FILMES: Os inéditos ‘A Vida Durante a Guerra’ e ‘O Garoto de Liverpool’. Um filme-surpresa completará a programação.

DIA: 12 de Novembro, sexta-feira

HORÁRIO: A partir das 23h50min

INGRESSO PARA O NOITÃO: R$ 20,00 (estudantes pagam meia-entrada)

ENDEREÇO: Belas Artes – Rua da Consolação, 2423

TEL.: (11) 3258-4092

Fichas Técnicas

“A vida durante a guerra

Título original: (Life During Wartime)

Lançamento: 2010 (EUA)

Direção: Todd Solondz

Atores: Allison Janney , Charlotte Rampling, Ciarán Hinds, Shirley Henderson, Michael K. Williams

Duração: 98 min

Gênero: Comédia Dramática

Sinopse: As três irmãs Jordan seguem em busca da vida ideal. Separada do marido Bill (Ciarán Hinds), preso por pedofilia, Trish (Allison Janney) decide se casar com o novo namorado. Mas Bill é libertado e tenta se reaproximar do filho, deixando-a dividida entre perdoá-lo e iniciar uma vida totalmente nova. Ao mesmo tempo, sua irmã Joy (Shirley Henderson), também assombrada por antigos relacionamentos, abandona o emprego e parte em busca de uma vida simples. Já a terceira irmã, Helen (Ally Sheedy), sente-se pressionada pela família e por seu sucesso em Hollywood.

Trailer: A VIDA DURANTE A GUERRA

“O Garoto de Liverpool”


Título original: (Nowhere Boy)

Lançamento: 2009 (Canadá) (Inglaterra)

Direção: Sam Taylor-Wood

Atores: Aaron Johnson, Kristin Scott Thomas, David Threlfall, Josh Bolt, Anne-Marie Duff

Duração: 98 min

Gênero: Drama

Sinopse: John Lennon (Aaron Johnson) é um jovem inteligente e solitário que vive pelas ruas da agitada Liverpool pós-guerra. Sonha em ser como rei Elvis Presley e tenta encontrar seu papel no mundo. Criado pela rígida tia Mimi (Kristin Scott Thomas), ele encontra no rock’n’roll um lugar para expor seus dilemas e energia. Até que descobre no amigo Paul McCartney (Thomas Sangster) uma forte sintonia, montando com este uma banda de rock.

Trailer: O GAROTO DE LIVERPOOL

Vemos-nos lá! Boa sessão!

*Fontes: Belas Artes, Adoro Cinema

Ana

Letras UFABC

06/11/2010

XI Projeta Brasil Cinemark

Filed under: Cinema,Dicas,Diversão,Geral — Letras UFABC @ 01:24
Tags: , , , , ,

Olá! Como vão?

Que tal um cineminha com um bom filme nacional? E por apenas R$2,00? É isso mesmo, na próxima segunda-feira vai acontecer o XI PROJETA BRASIL CINEMARK.

 

 

O QUE É?

Um projeto do Cinemark com a colaboração de produtores e distribuidores de filmes nacionais, com renda revertida para iniciativas de apoio ao cinema nacional.

Acontece a exibição dos sucessos de filmes brasileiros dos últimos 12 meses em 428 salas da rede Cinemark, divididas em 52 complexos. Ocorre desde o ano 2000 em uma segunda-feira de novembro. Mais de 1,5 milhão de espectadores já prestigiaram produções brasileiras nos dias do evento.

 

QUANDO SERÁ?

Dia 8 de Novembro, segunda-feira, em diversos horários.

 

QUANTO CUSTA?

R$2,00 (Dois reais)

 

ONDE COMPRAR O INGRESSO?

Você pode comprar o ingresso diretamente na bilheteria, mas é possível que você encontre bastante fila, então você pode garantir seu ingresso antecipadamente no site da rede Cinemark, clicando aqui: INGRESSO ONLINE

 

Então fica a dica pra você que gosta de uma boa diversão, e que poderá além disso prestigiar o cinema nacional e contribuir com ele!

Boa sessão!

 

Ana

Letras – UFABC

28/10/2010

Fireball Productions

 

Certo dia, ainda no Ensino Médio, um professor de Biologia do Vitor e do Leonardo deu a ideia de eles fazerem um trabalho da forma que quisessem: filme, música, slide, teatro, etc. Foi então que eles resolveram fazer em forma de filme, criando assim a Fireball Productions.

Mas de onde veio esse nome? …Coincidiu na época, de alguns amigos deles praticarem um esporte chamado “fireball”, em que inventaram o seguinte: colocavam álcool numa bola de futebol, jogavam fogo na bola e ficavam chutando a ‘bola de fogo’ um no outro. Foi então que o Vitor e o Leonardo resolveram usar o nome do esporte para criar a Fireball Productions.

O filme causou grande repercussão na época, fato que surpreendeu os dois. A partir de então, sempre que tinham um trabalho livre para fazer, faziam filmes. Com o tempo foram se especializando nisso. Leonardo inclusive já fez um curso de documentários, já Vitor resolveu brincar com efeitos especiais.

Abaixo você pode ver o primeiro filme dos dois, aquele do trabalho de Biologia: “Corra, Bode, porra!”

Gostaram do vídeo dos meninos? Dê sua opinião! Aproveite e entre no canal que eles têm no YouTube para assistir a outros vídeos: FIREBALL PRODUCTIONS.
Ana
Letras – UFABC

18/10/2010

LETRAS & CINEMA – 34ª Mostra Internacional

Filed under: Cinema — Letras UFABC @ 21:46
Tags: , , , , , ,
Atenção, cinéfilos! 

Chegou o momento da overdose de Cinema. Chegou a hora de mergulhar com tudo no vício da Sétima Arte.
 

Dia 22 deste mês começa a 34ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo. Durante duas semanas a 34ª Mostra exibirá mais de 400 títulos, exibidos em mais de 20 espaços, entre cinemas, museus e centros culturais por toda a cidade. É a oportunidade única de conferir o que está sendo produzido no Cinema mundial e quais são as próximas apostas e tendências na Sétima Arte.

34ª Mostra Internacional de Cinema
Quem conhece sabe o quão disputado é um ingresso na Mostra. Desde sábado já estão à venda os pacotes e permanentes. Os preços continuam os mesmos pelo terceito ano consectutivo e os pacotes de 20 ingressos já se esgotaram. Para quem não vai adquirir algum pacote – que pode chegar à R$ 390,00 – é só ficar atento à programação. O preço dos ingressos individuais são R$ 14,00 – de segunda a quinta – e R$ 18,00 – de sexta a domingo. Estudantes pagam meia!
 

Mas também há programação gratuita!

As sessões nas salas do CCSP, Cine Olido, MIS, no vão livre do MASP e em outros espaços, é aberta. Nesta edição diversos destaques vêm esquentar o clima cinematográfico em São Paulo.
Haverá exposições de fotos de Wim Wenders e de storyboards originais de Akira Kurossawa, 19 filmes estrangeiros que estão disputando uma vaga para a indicação ao Oscar e outras inúmeras exibições especiais. 

Fica aqui uma dica imperdível, destaque nessa Mostra:

Será exibido, pela primeira vez no Brasil, a versão original de Metropolis, de Fritz Lang, restaurada e reconstruída a partir dos rolos encontrados recentemente em um museu na Argentina. O filme original, de 1927, foi logo após sua estréia apreendido e desde então tais rolos permaneceram perdidos. A mais completa versão, com 30 minutos adicionais, traz uma nova visão ao filme, alterando profundamente a narrativa e a compreensão de alguns personagens.

O filme será exibido dia 24 – próximo domingo – no Gramado do Auditório do Ibirapuera, às 20hs e com o acompanhamento da Orquestra Jazz Sinfônica, executando a trilha original. A exibição é gratuita!

Confira a lista dos filmes e a programação no site da 34ª Mostra Internacional de Cinema, aqui!

Programe-se, divirta-se e compartilhe conosco suas experiências e opiniões! 


Arthur Leme

Letras UFABC

04/10/2010

LETRAS & CINEMA – Dos livros para as telas

Ao abrir aquele livro, tudo ganhou vida. A narrativa dava forma a cada um dos personagens. Cada linha reforçava suas personalidades, seus trejeitos, suas características. Em alguns parágrafos tudo parecia se tornar real. A história se projetava ao seu redor. E eram os detalhes que ali estavam – e os que não estavam também – que permitiam sua imaginação correr solta. Aquele livro inspirava novas idéias.

A literatura sempre foi objeto de profunda inspiração. Ela não possui fronteira alguma para a criação e talvez por isso seja tão encantadora. Não é de se espantar que cineastas, desde o início da história do Cinema, foram influenciados e buscaram inspiração nas mais diversas obras. O virar das páginas de um livro, muitas vezes, não parece o desenrolar de uma película?

É muito comum encontrarmos filmes cujo roteiro é baseado em algum livro. Mas não vamos nos focar nas diferenças entre filme e livro. Portanto nada de discussões acerca da posição da cicatriz ou a cor dos olhos do bruxinho órfão, ou a intensidade da purpurina que cobre o corpo de certos vampiros ao sol.

Adaptar um livro para o Cinema é uma tarefa repleta de desafios. Um deles é o conhecimento, por parte dos espectadores, de pontos importantes da história, incluindo o final. E se a história for repleta de grandes revelações e possuir um desfecho surpreendente? O que fazer então? Mudar todas as coisas, criar um novo final ou fazer como Hitchcock? O roteiro de Psicose, uma das principais obras-primas do mestre do suspense, teve origem a partir do livro de Robert Bloch. Hitchcock não só comprou os direitos sobre o livro, como comprou todas as cópias disponíveis do mesmo para evitar que a platéia se inteirasse dos eventos e revelações cruciais. Atualmente tal tarefa seria impossível (ou não?). Porém, esse está longe de ser o maior desafio. A principal questão é a identidade do filme. Onde entra a criatividade do diretor? É impossível seguir à risca tudo o que está escrito. O livro é uma coisa, o filme é outra totalmente diferente. As linguagens são distintas. Consequentemente um filme requer uma identidade própria. E não basta apenas uma fotografia diferente ou excelentes efeitos visuais. O livro deve servir de inspiração e não ser simplesmente copiado.

Atualmente temos presenciado uma avalanche de adaptações nos cinemas. Assim que um livro se torna um best-seller, Hollywood o transforma num filme. Filmes que em sua grande maioria são terríveis. Porém o Cinema nos oferece muito mais do que péssimas adaptações. Há muitas obras geniais, originadas de livros. Aliás a qualidade de um filme está absolutamente ligada à genialidade de seu diretor. E obviamente ao autor do livro que o inspirou.

Uma adaptação de um livro para o Cinema pode ser interessante, mas um filme ruim pode destruir uma história. E um péssimo livro pode acabar com um diretor.

Abaixo, segue uma lista de algumas obras literárias que foram adaptadas e que valem a pena conferir. Já se estas são boas ou ruins isso cabe à você definir, afinal cada um possui um gosto quando o assunto é Cinema, e por isso o assunto gera tão interessantes discussões.

Não se esqueça de comentar e registrar sua opinião depois! E sugerir outros filmes também!

___________________________________________________________________________________________

O FANTASMA DA ÓPERA (1925) – por Rupert Julian

Baseado no romance do francês Gaston Leroux, foi adaptado ao cinema quatorze anos depois da publicação do livro. O filme conta a história de um luxuoso teatro, a Ópera de Paris que, segundo dizem, é assombrado por um fantasma causador de diversos acidentes. É neste cenário que o misterioso Fantasma se apaixona por uma jovem bailarina e cantora.

O filme mudo é considerado por muitos como o primeiro grande filme de horror, permanecendo como um marco na Era de Ouro de Hollywood. Na época em que foi lançado causou grande choque no público, causando até ataques em pessoas cardíacas. O Fantasma da Opera é estrelado por Lon Chaney, o Homem das Mil Faces.

 

___________________________________________________________________________________________

Trilogia Millenium (2009)

Baseado nos livros policiais de Stieg Larsson.


OS HOMENS QUE NÃO AMAVAM AS MULHERES – por Niels Arden Oplev

É o primeiro da trilogia e inicia a história do jornalista Mikael Blomkvist que com a ajuda da misteriosa hacker Lisbeth Salander investiga o desaparecimento da neta de um poderoso empresário, ocorrido há 40 anos.

A MENINA QUE BRNCAVA COM FOGO – por Daniel Alfredson

É a segunda parte da história que começa a aprofundar na vida misteriosa e sofrida de Lisbeth Salander.

A RAINHA DO CASTELO DE AR – por Daniel Alfredson

É o episódio final da trilogia com a batalha de Lisbeth Salander, apoiada por seus amigos, incluindo Blomkvist para escapar de uma armadilha, provar sua inocência e desvendar os podres envolvendo o Estado sueco.

*O primeiro filme sueco foi um sucesso e Hollywood já está trabalhando em um remake… como costuma fazer…

 

___________________________________________________________________________________________

PERFUME: A HISTÓRIA DE UM ASSASSINO (2006) – por Tom Tykwer

Perfume-AHistriaDeUmAssassinoDublad.jpg O Perfume Historia de um Assassino image by SO-DVD

O Perfume é um romance do escritor alemão Patrick Süskind, publicado pela primeira vez em 1985.

Conta a história de um homem de origem humilde, regeitado pela mãe e por todos, e que é dotado de um olfato apuradíssimo, capaz de reconhecer odores imperceptíveis. Após trabalhar como aprendiz de perfumista, passa a buscar um perfume perfeito, o que o leva a matar diversas mulheres em busca de seus odores.

 

___________________________________________________________________________________________

LARANJA MECÂNICA (1971) – por Stanley Kubrick

Adaptação do romance homônimo de 1962 do escritor inglês Anthony Burgess, o filme tornou-se cult. Nele, Alex, o líder de uma gangue de delinquentes é preso e então submetido a um experimento que busca frear os impulsos destrutivos e criminais, mas que acabam tornando-o impotente para lidar com a violência que o cerca.

 

___________________________________________________________________________________________

MACUNAÍMA (1969) – por Joaquim Pedro de Andrade

É baseado na obra modernista de Mário de Andrade e conta a história de Macunaíma, o herói preguiçoso e sem nenhum caráter, que nasceu numa tribo indígena. Depois de adulto vai para a cidade grande com os irmãos vivendo diversas e tumultuadas aventuras.

 

___________________________________________________________________________________________
por Arthur Leme

Letras – UFABC

 

 

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: